A Câmara Municipal de Cáceres divulgou a abertura de concurso público (Concurso Câmara de Cáceres MT 2018) para preencher 07 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade (fundamental, médio, técnico e superior) no legislativo municipal.

Conforme o documento publicado, as vagas destinadas são para cargos de Operador de Áudio e Vídeo (1 vaga), Analista em Tecnologia da Informação (1 vaga), Auxiliar de Serviços Gerais (2 vagas), Vigia (2 vagas) e Jornalista (1 vaga). As remunerações oferecidas oscilam entre R$ 1.179,25 e R$ 4.378,50, por 40 horas semanais.

Inscrição Câmara de Cáceres MT 2018

Os interessados em concorrer a uma das vagas poderão se inscrever entre o período de 24 de setembro (a partir das 08 horas) até às 23h59min do dia 21 de outubro de 2018, no site oficial da banca organizadora UFMT (www.ufmt.br/concursos). O valor da inscrição oscila entre R$ 50,00 (nível fundamental), R$ 60,00 (nível médio) e R$ 50,00 (nível fundamental).

Provas Câmara de Cáceres MT 2018

O concurso Câmara de Cáceres MT contará com provas objetivas (para todos) com 30 e 40 questões distribuídas entre as disciplinas de informática, legislação básica, conhecimentos específicos, língua portuguesa e matemática; mais prova discursiva para Jornalista. As avaliações serão aplicadas no dia 25 de novembro, a partir das 08 horas, em locais a serem informados no dia 19 de novembro.

Os gabaritos provisórios serão divulgados no dia 25 de novembro, no site da UFMT. O concurso público é válido por 24 meses, a contar da data de homologação do resultado final, prazo este que poderá ser prorrogado uma vez, por igual período.

Informações do concurso

Concurso: Concurso Câmara Municipal de Cáceres MT
Banca organizadora: UFMT
Escolaridade: fundamental, médio, técnico e superior
Número de vagas: 07
Remuneração: entre R$ 1.179,25 e R$ 4.378,50
Inscrições: 24 de setembro e 21 de outubro de 2018
Taxa de Inscrição: R$ 50,00 a R$ 90,00
Provas: 25 de novembro de 2018
Situação: PUBLICADO

EDITAL CÂMARA CÁCERES MT 2018

Por: Assessoria

G1
O concurso para cadetes da Polícia Militar do Paraná tem a masculinidade entre os 72 critérios de avaliação psicológica aos interessados em uma das 16 vagas com salários de até R$ 9,5 mil. Segundo o edital da corporação, masculinidade é descrita como a “capacidade de o indivíduo em não se impressionar com cenas violentas, suportar vulgaridades, não emocionar-se facilmente, tampouco demonstrar interesse em histórias românticas e de amor”.

Homens e mulheres, com até 30 anos, podem concorrer às vagas homens e mulheres. Porém, o número de vagas preenchidas por mulheres não pode ultrapassar 50% do total, em respeito à Lei Estadual nº 14.804/2005.

Ainda de acordo com o edital do concurso, a “masculinidade” deve ser apresentada em um grau maior ou igual a “regular”.

A Aliança Nacional LGBTI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis e Intersexuais) publicou uma nota de repúdio ao edital. Segundo as entidade, a exigência de “masculinidade” desconsidera a possibilidade de mulheres se candidatarem às vagas e tem caráter discriminatório.

"Entendemos que a exigência, entre diversos equívocos, desconsidera a possibilidade de mulheres candidatas a cadete, ou quer que elas também tenham características de “masculinidade”, e que, portanto, é um retrocesso discriminatório e permeado por machismo, chauvinismo, patriarcalismo, sexismo, binarismo de gênero, heteronormatividade... Fere a Declaração Universal de Direitos Humanos e a Constituição Federal Brasileira no que diz respeito à igualdade de todas as pessoas", disse a Aliança Nacional LGBTI+ em nota.

A entidade ainda pede a atuação do Ministério Público do Paraná para que o Edital seja revogado "e substituído por um que esteja livre de aspectos que reforcem as desigualdades e injustiças presentes na sociedade atual".

Uol
No ar há menos de três semanas, o novo "Vídeo Show" vem enfrentando todo tipo de problema – de baixa audiência a gafes memoráveis. Como tudo que está ruim sempre pode piorar, nesta quarta-feira (08) a Globo se viu obrigada a mandar uma coordenadora de cena de "O Tempo Não Para" entrar ao vivo para desmentir o depoimento de uma atriz-mirim da própria novela.

O vexame começou com a entrada em cena das crianças Natthalia Gonçalves e Raphaela Alvittos, que vivem as gêmeas Kiki e Nico na trama. Elas vieram acompanhadas de um cachorro, chamado na novela de Pirata.

Sophia Abrahão e Fernanda Keulla tentavam entrevistar as duas meninas enquanto o cachorro, agitadíssimo, puxava a coleira e tentava correr pelo estúdio. Foi quando Natthalia explicou: "A gente tem o truque de deixar ele deitado. Só que agora, como a gente não está com a comida, não dá pra fazer. E também, às vezes, dá anestesia porque ele não para quieto".

Anestesia??? Sophia reagiu como todo mundo que estava assistindo em casa: "Ai, meu Deus!". Imediatamente, pelo ponto eletrônico, alguém gritou algo e a apresentadora acrescentou: "Não dão anestesia, estão falando aqui. O cachorro é fofo mesmo".

Como é difícil duvidar de uma criança, a revelação de que o cachorro da novela é anestesiado para se acalmar se espalhou velozmente pelas redes sociais. Quarenta minutos depois, encerrando o "Vídeo Show", a apresentadora voltou ao assunto: "Gente, só um esclarecimento. Todas as cenas com cachorro são acompanhadas pelo seu dono. A gente tem dois cachorros para interpretar o papel de Pirata que são adestrados para fazer todas as suas cenas, inclusive em que aparece dormindo".

Sophia, então, recebeu uma coordenadora de cena de "O Tempo Não Para", apresentada como Catucci, que disse: "Então, eu estou aqui para esclarecer uma situação. A gente usa o adestramento sempre com recompensa positiva. No set, sempre tem o adestrador e um veterinário que acompanham os animais que a gente grava. A gente usa os truques e dá uma recompensa".

Últimas notícias

O que é Urgente, não pode esperar! Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba alertas de notícias.
Entrar Mais tarde