Uma menina de 1 ano morreu afogada ao cair em uma piscina durante brincadeira com a irmã e um primo em Cáceres, a 220 km de Cuiabá. A ocorrência foi registrada na Polícia Militar na madrugada desta quarta-feira (16).

Segundo o boletim de ocorrência, a menina foi levada para um Pronto Atendimento e, posteriormente, para o Hospital Regional, já em óbito.

À polícia, a irmã da vítima contou que a mãe havia alimentado a vítima e depois passou a cuidar de outra irmã recém-nascida. Após mamar, a criança ficou sob os cuidados da irmã de 6 anos e do primo de 12 anos.

De acordo com a PM, as crianças deixaram a residência e foram para a área externa da casa.

Depois de algum tempo, o primo da vítima começou a gritar avisando que a criança havia caído na piscina e estava se afogando.

Ao chegarem no local, os adultos encontraram a menina já morta. O corpo da criança foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

Mato Grosso gerou cerca de 36 mil novos empregos no período de janeiro a novembro de 2018, segundo os dados do Cadastro de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nessa segunda-feira (7) pelo Ministério do Trabalho (MTE).

O setor que mais contratou foi o comércio, seguido da indústria e serviços.

Conforme os dados, o município que mais contratou foi Sorriso, a 420 km de Cuiabá, o saldo positivo foi de 10%. Em seguida está Sinop, a 503 km da capital, com 8%. Já Primavera do Leste o saldo foi de 7%.

Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, também teve um saldo positivo de 4,6%.

De acordo com o dono de uma empresa de peças para veículos, Antônio Gotardo, a demanda de serviços na empresa aumentou e, consequentemente, ele precisou contratar mais funcionários.

“Quanto mais carros circulando, maior é a demanda de peças. Meu quadro de funcionários aumentou em 2018 e, em 2019, pretendo aumentar mais 50%”, afirmou.

O secretário de Indústria e Comércio de Tangará da Serra, Welington Bezerra, disse que as contratações devem continuar aumentando em 2019 e que a população deve procurar meios de se capacitar para concorrer a essas novas vagas.

O delegado Mário Dermeval Aravechia de Resende foi escolhido pelo governador eleito, Mauro Mendes, para o cargo de delegado geral da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso. O anúncio foi feito na tarde de sexta-feira (04).

Mário Resende é o primeiro colocado na lista tríplice entregue pelo Sindicato dos Delegados de Polícia (Sindepo) ao novo governador de Mato Grosso. Ele teve 112 votos na disputa com o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, que ficou em segundo lugar com 71 votos e o delegado Jefferson Dias Chaves, que teve 25 votos. A votação ocorreu no dia 03 de dezembro.

O delegado ocupava o cargo de diretor de Execução Estratégica na gestão do delegado Fernando Vasco Spinelli Pigozzi, que encerrou em 31 de dezembro de 2018 seus dois anos na administração geral da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

O novo delegado geral da PJC é natural de Dracena, interior de São Paulo, casado e pais de duas filhas. Ingressou na Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso em 2003, tendo completado 16 anos de efetivo exercício no cargo de delegado de polícia, dos quais 10 anos foram no interior do Estado. Foi delegado em Alta Floresta e em municípios da fronteira Oeste. Atuou na Corregedoria de Polícia Civil e Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

Resende assegura que fará uma gestão empreendedora, inovadora, que vai modernizar a Instituição. “Sinto-me extremamente confiante de que faremos uma gestão justa e conseguiremos evoluir ainda mais”, afirma.

Como propostas para gestão 2019/2020, pretende continuar com uma administração proativa, de fortalecimento institucional; ampliação do efetivo, por meio gestão para concursos aos cargos de investigadores e escrivães, chamamento de delegados do cadastro de reserva; remoção de policiais com critérios técnicos e claros; reestruturação de unidades policiais; aquisições de materiais permanentes, bélicos e outros itens necessários para o desenvolvimento das atividades investigativas e repressivas de enfrentamento à criminalidade.

No campo repressivo, o delegado cita o combate intenso ao tráfico de drogas, especialmente, na fronteira, combate às organizações criminosas, roubos e furtos a bancos, defensivos corrupção, lavagem de capitais, crimes ambientais, violência contra mulher, crianças e adolescente, além de fortalecer a repressão aos crimes ambientais, contra o patrimônio (roubos comércio, residências e veículos), estelionatos, dentre outros delitos.

Mário Resende explica que a fronteira, localidade em que trabalhou por muitos anos, precisa ser priorizada para barrar o crime na fonte, na entrada e saída, e, para isso, deverá buscar recursos federais para a infraestruturação da Polícia Civil na fronteira Oeste de Mato Grosso, principal rota do tráfico de drogas vindo da Bolívia.

O delegado afirma que as investigações da PJC já têm um padrão de qualidade e para mantê-las cabe ao delegado geral propiciar condições de trabalho aos policiais e unidades.

Últimas notícias

Gazin - Consórcio - Até
O que é Urgente, não pode esperar! Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba alertas de notícias.
Entrar Mais tarde