Nova rede do SAEMI irá melhorar abastecimento de água nos bairros Parque Morumbi II e III
Entrega da nova rede está prevista para o mês de setembro.  A equipe de expansão do Serviço Autônom...
Advogado oferece orientação jurídica gratuita a população carente
"Todo advogado tem a missão de ajudar a comunidade em que atua. Por isto, deve atuar também em favor...
PM de Mirassol D'Oeste apreende Hilux, após vistoriador da Ciretran constar que o motor estava cadastrado em veículo furtado
A apreensão ocorreu na tarde desta segunda-feira, 13, por volta das 17:50hs, durante uma vistoria La...
Mirassol D'Oeste: Prefeito convida população para audiência pública da Lei Orçamentária Anual 2019
A prefeitura municipal de Mirassol D’Oeste convida a população a participar da Audiência Pública par...
PROMOTOR NOTA DEZ: Em Mirassol, Justiça acata pedido do MPE e manda Estado e Detran dinheiro para reformar Ciretran
Crédito: IlustraçãoA Justiça acatou o pedido do Ministério Público Estadual e determinou que o Estad...
POLÊMICA: Concurso da PM do Paraná cobra 'masculinidade'
G1O concurso para cadetes da Polícia Militar do Paraná tem a masculinidade entre os 72 critérios de ...
Nova rede do SAEMI irá melhorar abastecimento de á...
Advogado oferece orientação jurídica gratuita a po...
PM de Mirassol D'Oeste apreende Hilux, após vistor...
Mirassol D'Oeste: Prefeito convida população para ...
PROMOTOR NOTA DEZ: Em Mirassol, Justiça acata pedi...
POLÊMICA: Concurso da PM do Paraná cobra 'masculin...

Caso ocorreu na noite de sábado (12.mai). Trata-se da 1ª morte por militar da intervenção.

Um homem foi morto a tiros na noite de sábado (12.mai.2018) por 1 militar do Exército após furar uma blitz na zona norte do Rio de Janeiro. Foi a 1ª morte causada por 1 militar das Forças Armadas desde o início da intervenção federal, em 16 de fevereiro.

 

Diego Augusto Ferreira, de 25 anos, foi a vítima. De acordo com o CML (Comando Militar do Leste), o homem estava em uma motocicleta e tentou furar 1 posto de bloqueio e controle do Exército. Logo após, foi morto a tiros. O caso ocorreu por volta das 20h30 na rua Salustiano da Silva, em Magalhães Bastos.

O posto de bloqueio é responsável pela segurança da Vila Militar, em Deodoro. O bairro concentra o maior número de quartéis do Exército do Rio.

A morte de Ferreira não foi registrada na Delegacia de Homicídios nem comunicada ao Batalhão da Polícia Militar da região. O caso será investigado por 1 IPM (Inquérito Policial Militar).

Nesta 2ª feira (14.mai.2018), 1 oficial será nomeado para comandar o IPM, que terá 40 dias para ser concluído.

A BLITZ

Os militares que faziam a blitz eram do 15º Regimento de Cavalaria Mecanizada do Exército. Eles foram ouvidos na noite de sábado (14.mai)

Segundo o CML, “todas as providências legais cabíveis estão sendo tomadas nesse momento” e “as circunstâncias estão sendo apuradas”.

O comando afirmou que a vítima tinha passagem pela polícia e não era o dono da motocicleta. O proprietário e testemunhas também já foram ouvidos por militares.

A família acredita que ele não quis parar no bloqueio porque não tinha habilitação.

PROTESTOS

Moradores da comunidade Curral das Éguas, de Magalhães Bastos, protestaram e colocaram fogo em 1 ônibus próximo ao local da blitz após a morte de Diego Augusto.

Destaques do Dia

Curtinhas

Variedades

Nacional & Internacional

Polícia & Judiciário

Curta-nos no Facebook