Prefeitura de Mirassol D'Oeste divulga resultado preliminar de seleção para Engenheiro Civil e Arquiteto-Urbanista
O objetivo é contratar dois profissionais, em caráter temporário a fim de suprir as necessidades do ...
Três suspeitos são presos em barraca de verduras usada para jogo do bicho
Militares do 4° Batalhão de Polícia Militar de Várzea Grande, conduziram três suspeitos de envolvime...
Sargento pula de carro em movimento; nada em rio e escapa da morte em Cuiabá
Militar foi rendido por criminosos ao chegar em casa no Recanto dos Pássaros Um sargento do Corpo d...
Governadora do Rotary Club visita prefeito de Mirassol D'Oeste
Considerando a relevância dos serviços prestados pelo Rotary no município de Mirassol D´Oeste, o pre...
TJ condena instituição de Mirassol por não acolher menor
Por decisão unânime, a Terceira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso desp...
Obra mal planejada deixa crianças sem creche em Mirassol D’Oeste
Entre os dias 10 e 11 de outubro de 2018, estiveram em nosso município, técnicos da Associação dos M...
Prefeitura de Mirassol D'Oeste divulga resultado p...
Três suspeitos são presos em barraca de verduras u...
Sargento pula de carro em movimento; nada em rio e...
Governadora do Rotary Club visita prefeito de Mira...
TJ condena instituição de Mirassol por não acolher...
Obra mal planejada deixa crianças sem creche em Mi...

Caso ocorreu na noite de sábado (12.mai). Trata-se da 1ª morte por militar da intervenção.

Um homem foi morto a tiros na noite de sábado (12.mai.2018) por 1 militar do Exército após furar uma blitz na zona norte do Rio de Janeiro. Foi a 1ª morte causada por 1 militar das Forças Armadas desde o início da intervenção federal, em 16 de fevereiro.

 

Diego Augusto Ferreira, de 25 anos, foi a vítima. De acordo com o CML (Comando Militar do Leste), o homem estava em uma motocicleta e tentou furar 1 posto de bloqueio e controle do Exército. Logo após, foi morto a tiros. O caso ocorreu por volta das 20h30 na rua Salustiano da Silva, em Magalhães Bastos.

O posto de bloqueio é responsável pela segurança da Vila Militar, em Deodoro. O bairro concentra o maior número de quartéis do Exército do Rio.

A morte de Ferreira não foi registrada na Delegacia de Homicídios nem comunicada ao Batalhão da Polícia Militar da região. O caso será investigado por 1 IPM (Inquérito Policial Militar).

Nesta 2ª feira (14.mai.2018), 1 oficial será nomeado para comandar o IPM, que terá 40 dias para ser concluído.

A BLITZ

Os militares que faziam a blitz eram do 15º Regimento de Cavalaria Mecanizada do Exército. Eles foram ouvidos na noite de sábado (14.mai)

Segundo o CML, “todas as providências legais cabíveis estão sendo tomadas nesse momento” e “as circunstâncias estão sendo apuradas”.

O comando afirmou que a vítima tinha passagem pela polícia e não era o dono da motocicleta. O proprietário e testemunhas também já foram ouvidos por militares.

A família acredita que ele não quis parar no bloqueio porque não tinha habilitação.

PROTESTOS

Moradores da comunidade Curral das Éguas, de Magalhães Bastos, protestaram e colocaram fogo em 1 ônibus próximo ao local da blitz após a morte de Diego Augusto.

Destaques do Dia

Curtinhas

Variedades

Nacional & Internacional

Polícia & Judiciário

Curta-nos no Facebook