Prefeitura visita área de instalação do frigorífico Minerva
O prefeito Euclides Paixão, acompanhado de médicos e por membros da equipe de governo, visitaram nes...
Torcedor tenta beijar repórter da TV Globo à força na Rússia
TerraUm novo caso de assédio contra as mulheres que trabalham no meio do futebol aconteceu neste dom...
Bola de fogo explode sobre a Rússia em plena luz do dia
GALERIA DO METEORITOUma bola de fogo super brilhante foi vista em plena luz do dia em várias cidades...
Delação vai implodir candidatura em MT
Uma colaboração premiada de um empresário de Cuiabá deverá sepultar a pré-candidatura do senador Wel...
Médico Veterinário toma posse como novo Secretário de Desenvolvimento Sustentável em Mirassol D’Oeste
O Prefeito de Mirassol D’Oeste, Euclides Paixão, deu posse nesta quinta-feira (21/06), ao Sr. José R...
Viúva da Mega-Sena é presa após 11 anos
G1Policiais civis da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) do Rio de Jan...
Prefeitura visita área de instalação do frigorífic...
Torcedor tenta beijar repórter da TV Globo à força...
Bola de fogo explode sobre a Rússia em plena luz d...
Delação vai implodir candidatura em MT
Médico Veterinário toma posse como novo Secretário...
Viúva da Mega-Sena é presa após 11 anos

EXTRA
Boatos que circulam no WhatsApp já provocaram a morte de nove pessoas na Índia, todas linchadas por populares em diversas cidades do país. No último caso, as vítimas foram o engenheiro de áudio Nilotpal Das e o artista digital Abijeet Nath. Eles pararam num vilarejo no norte do estado de Assam para pedir orientação e foram confundidos com sequestradores de crianças que aparecem num vídeo falso que viralizou no país. A polícia prendeu 16 pessoas acusadas de participação no linchamento, informa a BBC.

Das e Nath se somam às sete vítimas do filmete que está circulando no aplicativo de mensagens nos últimos meses. Um vídeo mostrando o linchamento também foi publicado e mostra um deles implorando por sua vida. No domingo, estudantes e ativistas saíram as ruas de Guwahati, a maior cidade do estado de Assam, onde a dupla vivia, para protestar contra o crime.

A primeira vítima foi um homem espancado até a morte após ser visto circulando a esmo por uma cidade no estado de Tamil Nadu, em abril. No mês seguinte, uma mulher de 55 anos foi linchada no mesmo estado, por dar doces a crianças; 30 pessoas foram presas. Em Andhra Pradesh, um homem foi morto por falar hindi e não a língua local, telugo.

Em Telangana, um homem foi linchado após ser visto em uma plantação de mangas durante a noite. No mesmo estado, um homem foi morto ao chegar a uma aldeia para visitar parentes. Em Hyderabad, capital de Telangana, uma mulher transexual foi linchada. Em Bangalore, capital e maior cidade de Karnataka, um homem que havia se mudado recentemente foi confundido com o falso sequestrador, amarrado com uma corda e espancado até a morte.

Em todos os casos, um vídeo que mostra uma criança sendo sequestrada foi apontado como motivador dos crimes. O correspondente da BBC na Índia, Dan Johson, teve acesso ao material. Nele, dois homens numa moto se aproximam de um grupo de crianças e um deles agarra uma delas e a dupla vai embora. Mas o filme não é da Índia. E nem mesmo verdadeiro.

Uma versão não editada mostra que o vídeo foi produzido pelo governo do Paquistão, para alertar a população sobre o cuidado com as crianças. No fim, um dos homens explica a situação, mas esta parte foi cortada na versão que se espalhou pelo WhatsApp. O mesmo vídeo editado circulou no Brasil, em dezembro de 2016.

Como aconteceu por aqui, o vídeo circula na Índia com uma mensagem clássica de boatos falsos, dizendo apenas que sequestradores chegaram à cidade e estão levando as crianças, sem especificar data ou local e sem fontes confiáveis. Por isso, os linchamentos aconteceram em diversas partes do país, tendo como vítimas pessoas desconhecidas pelos moradores locais.

As autoridades indianas lançaram campanhas de conscientização pedindo que a população não acredite em vídeos e mensagens que circulam na internet falando sobre sequestro de crianças. Em Telangana, a polícia chegou a prender pessoas que divulgaram mensagem com o falso vídeo. Em Karnataka, foi criada uma divisão especializada em monitorar vídeos e mensagens nas redes sociais.

No Brasil, um caso semelhante aconteceu em maio de 2014, em Guarujá, no litoral de São Paulo. A dona de casa Fabiane Maria de Jesus foi confundida com uma sequestradora de crianças e espancada até a morte após um boato circular no Facebook. Cinco pessoas já foram condenadas pelo crime, com penas que variam entre 26 e 40 anos de prisão.

Destaques do Dia

Curtinhas

Variedades

Nacional & Internacional

Polícia & Judiciário

E-mail urgente

Cadastre-se para receber notícias no seu e-mail. É grátis!