Especialista em onça é contra remoção do animal do centro de Cáceres
O doutor em Ecologia pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Fernando Tortato, que é especi...
Boliviano morre em acidente em Cáceres
Na manhã desta quarta feira, 18/07, por volta das 07h00, Investigadores de plantão na 1DP de Cáceres...
Mulher de Eduardo Cunha é condenada a 2 anos e 6 meses
TerraA mulher do ex-deputado Eduardo Cunha, Cláudia Cruz, foi condenada a dois anos e 6 meses pelo T...
Mulher é presa suspeita de torturar, abusar sexualmente e manter em cárcere um adolescente de 16 anos
G1Uma mulher de 33 anos, que não teve o nome divulgado, foi presa nesta quarta-feira (18), em Itumbi...
Time Salesiano de Cáceres conquista posição de destaque no Campeonato de Cosmópolis - SP
O Time Salesiano de Cáceres está superando as expectativas no Futebol Amador. Em recente torneio na ...
Polícia Civil de Mirassol D’Oeste abre seleção para estudantes de Direito
O estágio é de natureza não remunerada e sem vínculo empregatício de qualquer natureza com a Institu...
Especialista em onça é contra remoção do animal do...
Boliviano morre em acidente em Cáceres
Mulher de Eduardo Cunha é condenada a 2 anos e 6 m...
Mulher é presa suspeita de torturar, abusar sexual...
Time Salesiano de Cáceres conquista posição de des...
Polícia Civil de Mirassol D’Oeste abre seleção par...

Três oficiais que prestavam serviço antes do sumiço ter sido relatado deram a mesma versão em depoimento

Três oficiais da polícia de Buenos Aires estão sob investigação após o desaparecimento de 540 kg de maconha de um depósito policial. Os agentes alegaram que a droga sumida foi "comida por ratos".

Um protocolo do órgão de segurança afirma que cada encarregado do depósito deve fazer um inventário de todos os bens guardados e entregá-lo ao funcionário que o sucede na tarefa. Foi assim que o oficial Emilio Portero detectou a falta de mais de meia tonelada de maconha no depósito. Ele avisou à divisão de assuntos internos da polícia, que abriu uma investigação.

Descobriu-se que três oficiais anteriores que prestaram serviço antes de Emilio não haviam feito esse procedimento. Convocados a prestar esclarecimentos, eles deram o mesmo testemunho: a droga havia sido comida por uma infestação de ratos.

Segundo o jornal El Patagónico, uma perícia foi instaurada pelo Ministério da Segurança e concluiu que, pelo fato da droga estar muita seca, pelo tempo de armazenamento, os ratos que teriam se alimentado dela deveriam estar mortos. Contudo, nenhum cadáver de animal foi encontrado no depósito.

Os oficiais estão sob investigação para se descobrir o que foi feito da droga.

Por: El Patatónico

Destaques do Dia

Curtinhas

Variedades

Nacional & Internacional

Polícia & Judiciário

Curta-nos no Facebook