Trump diz que transgêneros serão banidos do Exército dos EUA

Terra

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que não permitirá que indivíduos transgêneros sirvam no Exército dos Estados Unidos, citando "enormes gastos médicos e interrupções", em uma ação condenada por críticos como "puro preconceito" e uma manobra política.

Essa não é a primeira vez que Trump se envolve com questões de transgêneros desde que assumiu o cargo em janeiro. O presidente republicano rescindiu em fevereiro proteções para estudantes transgêneros, implementadas por seu antecessor, o democrata Barack Obama, que tinha permitido que eles usassem banheiros correspondentes a sua identidade de gênero.

"Após consulta com meus generais e especialistas militares, por favor estejam notificados de que o governo dos Estados Unidos não aceitará ou permitirá que... indivíduos transgêneros sirvam em qualquer competência nas Forças Armadas dos EUA", escreveu Trump no Twitter.

"Nossos militares precisam se concentrar em vitórias decisivas e esmagadoras e não podem ser sobrecarregados com os imensos custos médicos e interrupções que os transgêneros nas Forças Armadas requereriam", escreveu o presidente.

A ação de Trump parece deter anos de esforços para eliminar barreiras no serviço militar baseadas na orientação sexual. No ano passado, no governo de Obama, o Pentágono anunciou que estava pondo fim à proibição de que indivíduos transgêneros servissem abertamente nas Forças Armadas, considerada por autoridades como ultrapassada.

Nesta quarta-feira, o Departamento de Defesa encaminhou todas os questionamentos sobre a decisão de Trump para a Casa Branca. "Nós forneceremos orientações revisadas para o Departamento em breve", disse o porta-voz do Departamento de Defesa, Jeff Davis.