FIDARE DA MERENDA ESCOLAR: MPF e PF investigam suposta compra fraudulenta de merenda por diretores de escolas estaduais em Cáceres

Foto: Cáceres Notícias
Despreparados para o cargo, alguns professores que ocupam a função de diretor de escolas estaduais em Cáceres, usam costumeiramente o expediente de comprar merenda escolar e produtos de higiene e limpeza a prazo em estabelecimentos comerciais da cidade. Como o pagamento invariavelmente demora, os empresários acabam dobrando ou até triplicando o valor das mercadorias.

Esta prática nevasta que teria a conivência do Estado por meio das Assessoria Pedagógica, foi denunciada pelo Conselho Deliberativo da Escola São Luiz ao Ministério Publico Federal (MPF), já que os recursos são federais.

Para comprovar o crime, o MPF pediu a 1ª Vara da Justiça Federal que determinou a Policia Federal a realização hoje, 4, de buscas de documentos na Assessoria Pedagógica, na residência dos diretores das Escolas São Luiz e Mario Mota, e no Supermecado Crystal localizado no bairro Rodeio, apontado na denuncia como um dos estabelecimentos que envolvidos no suposto crime.

Há expectativa é que a investigação identifique a prática do suposto crime por diretores de outras escolas.

Caso isso ocorra, o MPF pode pedir a prisão de todos os envolvidos.

Pelo que o Jornal Oeste apurou, a ação de hoje batizada de 'Merenda Segura', é semelhante a Fidare de 2014, que prendeu 47 pessoas acusadas de participarem de um esquema de compra de medicamentos fiados e com preços superfaturados na prefeitura de Cáceres.

Passsados quatros anos, o processo corre em sigilo em segunda instância e não há previsão de julgamento.

A ação foi remetida a segunda instância em uma estratégia de defesa, feita depois que o prefeito Francis Maris, passou de denunciante a réu, por admitir que sabia do esquema e não tomou providências para pará-lo.

Por: Jornal Oeste