Prefeitura de Mirassol D'Oeste divulga resultado preliminar de seleção para Engenheiro Civil e Arquiteto-Urbanista
O objetivo é contratar dois profissionais, em caráter temporário a fim de suprir as necessidades do ...
Três suspeitos são presos em barraca de verduras usada para jogo do bicho
Militares do 4° Batalhão de Polícia Militar de Várzea Grande, conduziram três suspeitos de envolvime...
Sargento pula de carro em movimento; nada em rio e escapa da morte em Cuiabá
Militar foi rendido por criminosos ao chegar em casa no Recanto dos Pássaros Um sargento do Corpo d...
Governadora do Rotary Club visita prefeito de Mirassol D'Oeste
Considerando a relevância dos serviços prestados pelo Rotary no município de Mirassol D´Oeste, o pre...
TJ condena instituição de Mirassol por não acolher menor
Por decisão unânime, a Terceira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso desp...
Obra mal planejada deixa crianças sem creche em Mirassol D’Oeste
Entre os dias 10 e 11 de outubro de 2018, estiveram em nosso município, técnicos da Associação dos M...
Prefeitura de Mirassol D'Oeste divulga resultado p...
Três suspeitos são presos em barraca de verduras u...
Sargento pula de carro em movimento; nada em rio e...
Governadora do Rotary Club visita prefeito de Mira...
TJ condena instituição de Mirassol por não acolher...
Obra mal planejada deixa crianças sem creche em Mi...

Popular Online | Ulisses Martins Ferreira
A Promotoria de Justiça de Jauru instaurou o Inquérito Civil nº 01/2018, para apurar atos de promoção pessoal praticados pelo gestor público de Figueirópolis d’Oeste, que conforme denúncia estaria utilizando “slogan” de sua campanha política eleitoral para a Administração Pública Municipal. “Nesse inquérito expedimos uma recomendação ao prefeito para que remova de veículos e instalações públicas qualquer menção ao seu “slogan” de campanha”, informou o Promotor.

O Prefeito Eduardo Vilela utiliza em sua Gestão Pública Municipal o mesmo “slogan” de sua campanha política Eleitoral “Figueirópolis novo Com a força do povo”, o que no entendimento do Promotor de Justiça não pode ser utilizado pelo o órgão público. “Isso pode caracterizar promoção pessoal do gestor, então expedimos uma recomendação para que possa ser retirado de veículos e instalações públicas”, afirmou doutor Daniel.

O Promotor de Justiça nomeou o Assistente Ministerial Wellington Barbosa Ermenegildo para secretariar os trabalhos do inquérito e o Técnico Administrativo Thiago Cesar Silva Duarte, para efetuar as diligências a serem encetadas nos autos.

Questionado sobre possível penalização ao gestor pela promoção pessoal, doutor Daniel Luiz dos Santos informou que o prefeito poderá responder por improbidade administrativa. “Será analisada a gravidade desses fatos que pode resultar numa ação de improbidade administrativa ou acordo para pagamento de uma multa em razão desses fatos”, informou.

O prefeito foi notificado sobre a recomendação no dia 27 de fevereiro de 2018, através do ofício nº 152/2018, tendo que promover a remoção dentro do prazo de 15 dias a partir desta data.

Conforme o Promotor de Justiça se a remoção não acontecer dentro do prazo estabelecido, o Ministério Público (MP) ajuizará uma ação para a Justiça determinar a remoção.

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MP/MT), através da Promotoria de Justiça de Jauru recebeu e investiga denúncia da suspeita de plagio cometida na elaboração e realização de Processo Seletivo feito e anulado pela prefeitura de Figueirópolis d’Oeste. “Mandamos uma comunicação no dia primeiro de fevereiro, para a Prefeitura de Figueirópolis prestar esclarecimentos sobre este fato, mas não recebemos resposta ainda e logo que chegar essa resposta será o momento da Promotoria analisar e aplicar entendimento jurídico”, informou o Promotor Daniel Luiz dos Santos.

Das trinta questões da prova de ensino médio aplicada no Processo Seletivo, 50% (cinquenta por cento) foram plagiadas, ou seja, quinze questões foram usadas do concurso público da Câmara Municipal de Cáceres, Edital 01/2015.

“Cópias pontuais de questões é uma coisa comum de acontecer em concurso público, inclusive você estuda pelas provas anteriores porque é muito comum cair uma ou outra questão de uma prova anterior. Agora cair uma prova ou uma matéria inteira repetida de outro concurso cria uma situação complicada”, disse o promotor ao observar que a pessoa com acesso a prova copiada seria favorecida.

Doutor Daniel Luiz dos Santos analisou que as anulações de concurso ou seletivo acontecem por erros graves, que devem ser analisados. Questionado sobre a informação do então presidente da Comissão organizadora do seletivo, Felipe Marques de Aquino, de que o seletivo foi realizado por uma empresa contratada e paga pela prefeitura, o promotor informou que o fato será analisado, podendo a empresa ser responsabilizada em devolver o dinheiro ao Poder Público e o gestor também ser responsabilizado, caso seja demonstrada sua culpa ou negligência em escolher a empresa.

O Presidente da Comissão Organizadora não informou a empresa que realizou o seletivo anulado e, conforme o Promotor de Justiça ele poderá responder pelo o crime de falsidade ideológica. ”Essa questão dele dizer uma coisa que não aconteceu, enfim, se está registrado, pode configurar o crime de falsidade ideologia”, disse.

De acordo com o artigo 299 do Código Penal, a pessoa que praticar crime de Falsidade Ideológica em documentos públicos poderá ser penalizado de 1 a 5 anos de reclusão e multa.

Por: Popular Online

Destaques do Dia

Curtinhas

Variedades

Nacional & Internacional

Polícia & Judiciário

Curta-nos no Facebook