Papelaria Risk Rabisk

Nublado

28°C

Nublado

Juiz cassa mais 2 vereadores e anula votos de 36 em Cuiabá; Câmara será mudada

Hoje, 4 parlamentares estão cassados. Novo cálculo será feito no coeficiente após manutenção de decisão pelo TRECARLOS DORILEO 

A Justiça Eleitoral cassou há pouco o mandato dos vereadores de Cuiabá, Abílio Júnior e Joelson Fernandes do Amaral, bem como de todos os suplentes do Partido Social Cristão, por crime eleitoral. A legenda é suspeita de falsificar candidaturas femininas no ano de 2014 para chegar ao número mínimo de 30% na cota de gênero.

O juiz eleitoral  da 55ª zona eleitoral, Gonçalo Antunes de Barros Neto, já havia cassado anteriormente outros dois parlamentares cuiabanos: Marcrean dos Santos (PRTB) e Elizeu Francisco do Nascimento. Ou seja, dos 25 parlamentares, quatro devem deixar o Legislativo caso seus recursos sejam negados pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Além de cassar Abilinho e sargento Joelson, o magistrado anulou os votos de todos suplentes do PSC. A legenda conquistou no ano passado 23.804 mil votos através de 38 candidatos, que serão descartados após a sentença entrar em fase de execução.

Com isto, caso seja mantida as cassações e anulações de votos, provocará uma profunda alteração na Câmara de Cuiabá. Com quatro vereadores cassados, será realizado um novo cálculo de coeficiente eleitoral.

OUTRO LADO

Por meio de nota, o vereador Sargento Joelson informou que não participou da montagem da chapa do PSC, tendo se filiado a legenda justamente na convenção partidária. Ele criticou a decisão do magistrado em punir todos os candidatos e destaca que se mantém no cargo até julgamento do recurso no Tribunal Regional Eleitoral.

"Essa linha adotada pelo juiz Gonçalo Antunes de Barros Neto, da 55ª Zona eleitoral,  pela cassação, não tem a devida fundamentação, e que seus advogados farão o recurso necessário para cassar a referida decisão. O vereador continua no cargo, trabalhando normalmente", assinala

Íntegra da nota do Sargento Joelson:

O vereador Sargento Joelson (PSC) informa que somente se filiou ao partido na convenção, 45 dias antes da eleição, pelo fato de ser um policial militar, e que não fez parte da montagem da chapa. Joelson não acredita que tenha havido crime eleitoral.

Ele afirma, ainda, que essa linha adotada pelo juiz Gonçalo Antunes de Barros Neto, da 55ª Zona eleitoral,  pela cassação, não tem a devida fundamentação, e que seus advogados farão o recurso necessário para cassar a referida decisão. O vereador continua no cargo, trabalhando normalmente.

Por: Folha Max