Caminhada em homenagem ao Dia Nacional de Adoção é realizada em Mirassol D'Oeste

O Dia Nacional da Adoção foi comemorado com uma caminhada solidária em Mirassol D’Oeste, na manhã desta sexta-feira (25 de maio).

Cerca de 150 pessoas participaram do evento que foi organizado pelo Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Coordenadoria de Educação, Secretaria municipal de Assistência Social e Secretaria municipal de Educação. O percurso teve o apoio da Policia Militar, e a vereadora Cléo Alves fez a locução, de forma a sensibilizar moradores, comerciantes e transeuntes sob o tema de uma adoção sem preconceito.

Segundo a Juíza de Direito da Comarca, Edna Ederli Coutinho, esse evento ocorrido em comemoração ao Dia Nacional da Adoção, teve o intuito de elucidar e esclarecer dúvidas quanto à adoção, e foram desenvolvidos em sistema de parceria. “Para adotar, o interessado deve habilitar-se na 2ª Vara de Justiça de Mirassol D’Oeste. Após passar por estudos psicossociais, realizados por psicólogas e assistentes sociais e, uma vez aptas, são incluídos na fila de adotantes. A partir de então, aguardam o surgimento da criança com o perfil escolhido para iniciar o estágio de convivência, que é o período de aproximação entre pretensos adotantes e adotados”, explica.

Na oportunidade, a magistrada fez menção ao "projeto padrinho" e ao incentivo à “adoção tardia”, assim considerada quando os adotados têm idade superior a seis ou sete anos. “A adoção é acima de tudo, um ato de amor, e por isso a importância de movimentos como este para informar aqueles que muitas vezes têm vontade de adotar, mas não sabem como proceder. Este é o propósito do Judiciário nesta manhã, aproximar-se do cidadão para sensibilizá-lo. Na adoção tardia, o processo é bem mais simples. Não há necessidade de prévia habilitação e não há fila, já que o número de interessados em adotar é menor do que o de crianças e adolescentes que estão em condições de serem adotados”, conclui a juíza Edna.

O promotor de justiça Justiça Saulo Pires de Andrade Martins, classificou o evento como um sucesso. “Queríamos provocar as pessoas ao tema da adoção e o objetivo foi atingido. Todos merecem um lar, e as informações que nos chegam, de quem adota, são as melhores possíveis, e para isso o processo é bastante simples, e tão somente os interessados devem procurar o Fórum, preencher um cadastro e entrar na fila de adoção”, pontuou.

Para Coordenadora municipal da Rede de Proteção Básica, Especial e Cidadania, Juraci Cerqueira Colombo, que representou a Secretária de Desenvolvimento Social, professora Maria de Lourdes, essa mobilização visa despertar melhor o interesse nas adoções. “A maioria dos que desejam adotar, tem preferência por recém-nascidos, mas precisam esperar muito. Por isso é bom dar visibilidade a essas crianças e adolescentes para que tenham chances de serem adotadas. Todos precisam de um lar, de ter uma família,” disse.

História
Em 1996, representantes dos catorze Grupos de Apoio à Adoção então existentes no Brasil se reuniram em Rio Claro, interior de São Paulo, no I Encontro Nacional de Associações e Grupos de Apoio à Adoção, nos dias 24 e 25 de maio.

Na ocasião, os grupos elegeram o dia 25 de maio como o Dia Nacional da Adoção. Seis anos depois, em 9 de maio de 2002, a lei foi sancionada sob o nº 10.447.

Nasceu assim, oficialmente, o DIA NACIONAL DA ADOÇÃO. Desde então, a data é comemorada em todo o país pelos militantes da causa, para celebrar e refletir sobre a adoção de crianças.

Assim, no mês em que se comemora o Dia Nacional da Adoção várias cidades do País realizam eventos em alusão a adoção de crianças e adolescentes.

Processo de adoção
Qualquer pessoa maior de 18 anos, independentemente de sexo, ou estado civil pode entrar com um pedido de adoção. A diferença de idade entre adotante e a criança adotada deve ser de, no mínimo, 16 anos. Quando se é casado, ou se vive uma união estável, o pedido deve ser feito em conjunto. Se você quer adotar, veja mais dicas aqui.

Outras fotos