Papelaria Risk Rabisk

Nublado

31°C

Nublado

9 dos 15 vereadores por Cáceres correm risco de perder cargo por uso de "laranjas"

Reprodução (vereadores caceres)

A Coligação Cáceres para Todos I (PP-PMDB-PSB-DEM) pede a cassação de nove dos 15 vereadores por Cáceres em razão de suposta fraude no cumprimento dos percentuais de gêneros. A ação prevê anulação de todos os votos obtidos nas urnas pelos candidatos das coligações Agora é a Vez do Povo (PTdoB-PRTB-PRP), Frente Popular (PT-PV-PCdoB-Solidariedade), Cáceres Para Todos II (PPS- PTN) e Trabalho, Transparência e Resultado I (PSDB-PR-PSC).

Vereadores por Cáceres que correm risco de cassação pela Justiça Valdeníria Dutra, Cezare Pastorello, Wagner Barone, Creude da Areeira, Claudio Henrique, Zé Eduardo Torres, Rosinei Neves, Elias Pereira e Denis Maciel Hospital  

Estão na "berlinda" Cezare Pastorello, Valdeníria Dutra, Claudio Henrique (todos do PSDB), Denis Maciel Hospital, Elias Pereira (ambos do PTdoB), Rosinei Neves (PV), Zé Eduardo Torres (PSC), Creude da Areeira e Wagner Barone (ambos do PTN).

A ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), que aguarda apreciação da juíza da 6ª Zona Eleitoral Alethea Assunção Santos, se assemelha ao da Capital, onde quatro parlamentares tiveram os mandatos cassados por utilização de candidatas “laranjas”.

Apesar de terem sido cassados, os vereadores permanecem nos cargos até o transitado e julgado, podendo até ficar inelegível para as próximas eleições. Tiveram decisões pela cassação do diploma os vereadores Marcrean dos Santos (PRTB), Elizeu Nascimento (PSDC), Abílio Junior e Sargento Joelson (ambos do PSC).

Em Cáceres, a Aije atinge 12 partidos, sendo que nove possuem representantes na Câmara. Se tiverem decisões desfavoráveis aos parlamentares o quociente eleitoral será alterado, ou seja, a composição do Legislativo.

De acordo com os advogados do caso Bruno Sampaio Saldanha e Francisco Faiad, foi constatado que as candidaturas não receberam votos e não tiveram despesas com a campanha eleitoral, fatores que podem caracterizar candidaturas fictícias. “Não fizeram santinho, não tiveram despesas com combustível”, explica Bruno ao .

Outro lado

O vereador eleito pela Coligação Frente Popular (PT-PV-PCdoB-SD) Rosinei Neves afirma que não tem culpa em razão de pessoas que desistiram de participar da eleição no meio do pleito não terem renunciado. “Qual é a culpa eu tenho, fui eleito pelo meu voto”, sustenta.

O vereador explica ainda que uma ação que tramitava a pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE) inocentou as supostas candidatas fictícias. Diante disso, acredita que as ações são de “pessoas que querem ficar no poder a qualquer custo”, sustenta.

Por: Rd News